quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

O Plano Nacional de Leitura deseja-lhe ...

Os Livros das Pessoas

                                 
ilust. Alex Dukal

Se muitas máquinas gravassem tudo o que dizemos uns aos
outros, todos os ruídos da nossa terra, todos os uivos…
Se muitas máquinas filmassem tudo o que vemos, todos os
rostos, os sítios onde vamos, os céus, as alucinações…
Se muitas máquinas transcrevessem tudo o que pensamos e
sonhamos, as coisas todas que nos passam pela cabeça…
E se todos os dias houvesse outras máquinas que copiassem
tudo isto — cada palavra, cada som, cada imagem — para
um rolo infinito de papel branco, e tudo isto se guardasse,
como o registo do que andamos todos aqui a fazer e a
imaginar…

E se, depois de tudo isto, houvesse muitas pessoas, muitas
pessoas diferentes, que passassem tudo a limpo, cortando e
revendo, re-escrevendo e mudando, se tudo isto se fizesse,
não seria a maior maravilha?
Não há maior maravilha que os livros.

"Um livro é…"
É costume dizer muito bem dos livros, mas os livros não são

nem bons nem maus. Há livros que nos põem doentes, livros
que nos desencaminham, livros até que nos tiram a vontade
de ler outros.
O que são então os livros? São as pessoas.
No mundo, os livros e as pessoas têm a mesma importância.

Haver ou não haver pessoas más, livros que não prestam,
tanto faz, não interessa. Os livros não "fazem" parte de nós,
não são "espelho" de nós, não são nada de tão simples ou de
tão acessório. Os livros são as pessoas, são elas todas,
incluindo nós.
É preciso tê-los, mesmo que não se leiam, e lê-los mesmo

que não se tenham, e querê-los mesmo quando não existam,
e escrevê-los mesmo quando não nos são pedidos.

Há tantas coisas que nunca teriam sido pensadas se não

tivessem sido escritas.

Os livros são repetições, explosões repetidas do milagre do

sinal. É triste como se vê o livro, como coisa estranha. É
estranho quando se vê o livro como coisa exterior. É absurdo
quando se vê o livro como coisa especial.
O livro nem sequer coisa é.

Os livros guardam todos os recados que o mundo ainda tem

para nos dar.


Miguel Esteves Cardoso, "A Phala nº5 " Assírio & Alvim 

in Café dos Loucos

Promoção da leitura para crianças em idade escolar

Com base em considerações do domínio comum, pelo menos para os profissionais que lidam, todos os dias, com crianças e estão empenhados na sua formação e para as famílias atentas e empenhadas no desenvolvimento harmonioso dos filhos, relativas à importância da leitura no processo de crescimento, o Projecto Caring for Kids, da iniciativa de médicos pediatras do Canadá, fornece a claríssima proposta que pode ler aqui, em síntese e, integralmente, no original, seguindo a hiperligação.  


Pressupostos:

A leitura é uma componente importante da saúde e do bem-estar das crianças.
As crianças que não aprendem a ler bem podem vir a ter problemas emocionais e comportamentais no futuro.
As competências adquiridas precocemente vão ser muito úteis na idade adulta.
Os pais podem ajudar a desenvolver boas competências de leitura.

Indicações práticas:
  • Leia para a criança.
Leia para a criança todos os dias, mesmo que por pouco tempo.
Não desista, se ela já lê sozinha. Continue a ler-lhe, em voz alta.
Escolha livros de nível ligeiramente superior ao seu mas que ele consiga compreender.
  • Leia com a criança.
Treine muito esta nova competência leitora. Se for bem sucedido, ele mostrará as suas habilidades todas as noites. Se estivar a sentir dificuldades, gostará de treinar com quem tem confiança: escolha histórias com que ele se possa identificar.
  • Seja um modelo a imitar!
A criança precisa de sentir o seu prazer com a leitura. Se na família se lêem livros, jornais, revistas, ele vai interiorizar que a leitura é importante e proveitosa.
  • Use rimas, jogos e canções
As cantigas e as histórias tradicionais são instrumentos excelentes para a aprendizagem.  
  •  Brinque com as palavras
Conte anedotas com palavras de sentido duplo e jogue ao Scrabble, ao Boogle e ao Hangman. Faça palavras cruzadas com a criança.
  • Aconselhe-se com profissionais
Procure informação autorizada sobre livros adequados aos níveis etários. Peça opinião profissional a professores, bibliotecários, livreiros.  
  • Visite a biblioteca e faça uma em sua casa
Rotine as idas à Biblioteca. Desde muito cedo, a criança deve ter um cartão de sócio.
Em casa deve haver mais livros do que brinquedos: a criança pegará num livro se já não houver mais nada para fazer. Crie um lugar adequado para a leitura, calmo e confortável e onde os livros estejam à mão.
  • Corte no horário da televisão
Vai conseguir criar mais tempo para a leitura.
  • Leitura em qualquer suporte
Encoraje o seu filho a ler os cartazes da rua, os dizeres da caixa de cereais ou as páginas de desporto do jornal diário. Não - ficção ou banda desenhada podem ser divertidas. Para aprender a ler em detalhe, as receitas são bons auxiliares: se faltar um ingrediente já não resulta.
  • Deixe a criança escolher
Disponha de livros adequados ao nível da criança e deixe-a escolher. Ele deve poder escolher o livro maior (ou o mais pequeno) ou o que tiver a capa mais atraente.
Os alunos mais atrasados, no seu nível de leitura, podem não querer ser vistos com livros demasiado ‘infantis’ e, por isso, escolher livros demasiado difíceis para a sua competência.
Boa estratégia será dizer “Tu escolhes um, eu escolho um”.
  • Deixe a criança decidir quem lê e quando.
Apoie a criança se ela decidir fazer uma leitura mais longa. Faça turnos de leitura, alternando parágrafos ou páginas. Represente a história – o seu filho pode ler o diálogo e você fazer de narrador, lendo o resto do texto.
  • Encoraje a prática de escrita.
A leitura e a escrita andam sempre a par. As crianças podem praticar a sua competência de escrita fazendo listas, alimentando um jornal, fazendo catálogos de colecções, escrevendo aos amigos e à família.
  • Faça o registo das leituras
Use fichas apelativas, que encorajem a mais leitura, ou faça um diário ou uma lista de leitura. Num diário de leitura as crianças podem registar pensamentos sobre o que estão a ler. 
  • Dê toda a importância ao sentido.
Ler bem é compreender o sentido, não é saber como se dizem as palavras.
Se a criança ‘emperra’ numa palavra, não faça grande caso. Fale sobre o texto e faça perguntas sobre ele.
Ajude a criança a isolar a palavra fora do contexto.
Se o erro não afectar a compreensão do texto, não interrompa.
No fim do parágrafo ou do capítulo, volte às palavras que ele não conseguiu ou teve dificuldade em articular e reveja-as com ele.
  • Se a criança for um leitor impaciente, escolha livros com histórias dinâmicas.
Livros com capítulos curtos ou de solução imprevisível encorajam a continuação da leitura. Utilize efeitos de som e vozes diferentes para manter o interesse pela história.


quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Alfabeto

Alfabeto

Projecto de Promoção da Leitura

É um projecto de promoção da leitura para crianças, dos 0 aos 3 anos de idade, que incentiva ao estabelecimento de vínculos afectivos entre pais e filhos por intermédio dos livros.
Surgiu na Catalunha, em 2002, por iniciativa de um grupo de trabalho de profissionais das bibliotecas e da literatura infantil.  

 O Projecto Nascuts per Llegir tem apoio e suporte em instituições vocacionadas para o incentivo à leitura para crianças: Collegi Oficial de Bibliotecaris - Documentalistes de Catalunya, al Consell Català del Llibre per a Infants i Joves, a la Secció d'Atenció Primària de la Societat Catalana de Pediatria, a l'Associació Catalana d'Infermeria Pediàtrica i a l'Associació Catalana de Llevadores.
Objectivos:

  • Ajudar a estabelecer um vínculo afectivo entre adultos e crianças, através da leitura
  • Mobilizar a Comunidade, com crianças a cargo, para a protecção em situação de doença ou de violência, bem como para a promoção de um desenvolvimento emocional e cognitivo eficaz
  • Promover o gosto pela leitura, desde o primeiro mês de vida, a partir do trabalho coordenado entre bibliotecas, pediatras e outros agentes do mundo da leitura e da criança
  • Envolver e treinar a família para a actividade leitora, de modo a que adquira recursos que favoreçam o relacionamento com os filhos, quando lhes lêem histórias
  • Desafiar as instituições catalãs que trabalham com crianças a apoiar este Projecto, a assumi-lo e a comprometer-se com o desenvolvimento de estratégias propiciadoras de um crescimento efectivo dos hábitos de leitura das crianças, logo desde o seu nascimento

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

O Ensino da Compreensão Leitora: da Teoria à Prática Pedagógica

“O ensino da compreensão leitora: da teoria à prática pedagógica” é  um Programa de Intervenção para o 1.º Ciclo do Ensino Básico da autoria de Fernanda Leopoldina Viana, Iolanda da Silva Ribeiro, Ilda Fernandes, Albertina Ferreira, Catarina Leitão, Susana Gomes, Soraia Mendonça e Lúcia Pereira

Este estudo resulta de um projecto de investigação-acção associada ao projecto Litteratus, cujo objectivo é promover a leitura e da literacia.
Programa financiado por:
Didáxis - Cooperativa de Ensino, C.R.L.
Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão
CIPSI - Centro de Investigação em Psicologia da Universidade do Minho
CESC - Centro de Estudos da Criança da Universidade do Minho

O Ensino da Compreensão Leitora: da Teoria à Prática Pedagógica

A um passo da Biblioteca de Babel

Tudo parece indicar que o futuro das Bibliotecas passa por uma ligação em rede à escala mundial. Muitos especialistas concluem, no entanto, que, apesar do avanço do digital, as bibliotecas, tal como as conhecemos, sobreviverão.

redefurada.blogspot.com


O título da reportagem de Daniel Salgado remete para o conto A Biblioteca de Babel, do escritor Jorge Luís Borges, em Ficções. Trata-se de uma biblioteca sem fim que contém um número infinito de livros os quais, no entender do narrador, abrigam tudo quanto é possível saber sobre a realidade e representa o próprio mundo. As variáveis de conteúdo, quer no que diz respeito às matérias quer no que respeita às línguas em que são escritos, deixa lugar a uma busca incessante para a sua descodificação.

“Ler um texto é tentar decifrá-lo, mas se considerarmos que o próprio mundo está impregnado de linguagem, a própria realidade pode ser considerada como uma grande biblioteca cheia de textos à espera de quem os decifre. A Biblioteca de Babel pode ser entendida como uma metáfora para a Sociedade de Informação (Wikipédia).

A um passo da Biblioteca de Babel / Daniel Salgado / El País / 07.12.2010

Boas Festas

O Plano Nacional de Leitura deseja Boas Festas

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Mario Vargas Llosa - Elogio de la lectura y la ficción

Mario Vargas Llosa, início do discurso de aceitação do Prémio Nobel, em Estocolmo:
“Aprendí a leer a los cinco años, en la clase del hermano Justiniano, en el Colegio de la Salle, en Cochabamba (Bolivia). Es la cosa más importante que me ha pasado en la vida. Casi setenta años después recuerdo con nitidez cómo esa magia, traducir las palabras de los libros en imágenes, enriqueció mi vida, rompiendo las barreras del tiempo y del espacio y permitiéndome viajar con el capitán Nemo veinte mil leguas de viaje submarino, luchar junto a d’Artagnan, Athos, Portos y Aramís contra las intrigas que amenazan a la Reina en los tiempos del sinuoso Richelieu, o arrastrarme por las entrañas de París, convertido en Jean Valjean, con el cuerpo inerte de Marius a cuestas.
(…) la literatura introduce en nuestros espíritus la inconformidad y la rebeldía, que están detrás de todas las hazañas que han contribuido a disminuir la violencia en las relaciones humanas. A disminuir la violencia, no a acabar con ella. Porque la nuestra será siempre, por fortuna, una historia inconclusa. Por eso tenemos que seguir soñando, leyendo y escribiendo, la más eficaz manera que hayamos encontrado de aliviar nuestra condición perecedera, de derrotar a la carcoma del tiempo y de convertir en posible lo imposible.”     
                                                                   
El País, 08.12.2010
 

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Compreensão da Leitura. Dos modelos teóricos ao ensino explícito

Compreensão da Leitura. Dos modelos teóricos ao ensino explícito” é um Programa de Intervenção para o 2.º Ciclo do Ensino Básico da autoria de Iolanda da Silva Ribeiro, Fernanda Leopoldina Viana, Irene Cadime, Ilda Fernandes, Albertina Ferreira, Catarina Leitão, Susana Gomes, Soraia Mendonça e Lúcia Pereira.

Este estudo resulta de um projecto de investigação-acção associada ao projecto Litteratus, cujo objectivo é promover a leitura e da literacia.

Programa financiado por:
Didáxis - Cooperativa de Ensino, C.R.L.
Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão
CIPSI - Centro de Investigação em Psicologia da Universidade do Minho
CESC - Centro de Estudos da Criança da Universidade do Minho
Compreensão da Leitura - dos modelos teóricos ao ensino explícito
O-Cansaco-de-Subir-Escadas

IX Hospital dos Pequeninos

A Associação de Estudantes da Faculdade de Medicina de Lisboa realizou, nos dias 22 e 27 de Novembro, a IX Edição do Projecto Hospital dos Pequeninos, no Edifício do Refeitório I da Universidade de Lisboa. A actividade contou com a colaboração das Associações de Estudantes da Faculdade de Farmácia e da Escola Superior de Enfermagem.



Trata-se de um projecto que visa reduzir a ansiedade das crianças, no intervalo dos 3 aos 7 anos de idade, quando se sentem confrontadas com a presença de um profissional de saúde, nomeadamente em consulta. Cada criança deverá levar um boneco que se encontra 'doente' e que será submetido a todos os procedimentos realizados num Serviço de Urgência. A criança adopta, portanto, uma posição de observador, que lhe é mais confortável durante o jogo.
Este ano, o projecto associou a edição de um livro com conteúdos relativos à passagem pelo Hospital dos Pequeninos, para que, pela primeira vez, fossem abrangidas as crianças que não tiveram a oportunidade de nele participar. "Acreditamos que a desmistificação do papel do médico como agressor constitui uma etapa significativa na humanização do Hospital".

Me Gusta Leer

Um vídeo em castelhano que vale a pena ver .....

Bibliofilmes Festival


"BiblioFilmes Festival - Baseado no Livro": um conjunto de iniciativas para a Comunidade da Língua Portuguesa usando um novo conceito de promoção do livro, da biblioteca e da leitura através das novas tecnologias e do cinema. BiblioFilmes.com 
                                                                 2007/08 - "BiblioFilmes: Livros, Bibliotecas, Acção!"
                                                                 2008/09 - "Aventuras Cinematográficas baseadas em Livros"
                                                                 2009/10 - "Onde os Livros Ganham Vida!"

Edição 2010/11 -  Viva o Livro!


Viva o Livro! em vídeo ou filme e participe no


CATEGORIAS A CONCURSO
      4. Nova categoria: Musical baseado em Livro


Com o apoio do Plano Nacional de Leitura

Conheço um Escritor

A Revista Visão Júnior, em parceria com o Plano Nacional de Leitura (PNL) e a Rede de Bibliotecas Escolares (RBE), promove um concurso aberto a todos os alunos do Ensino Básico, do 1º ao 9º Anos de escolaridade, que tem como intuitos oestimular o gosto pela leitura, desenvolver o interesse pelos livros, oconhecer escritores portugueses e as suas obras e opermitir uma maior aproximação entre os leitores e os autores.

Chico Buarque - Prémio Portugal Telecom de Literatura

Chico Buarque, cantor e autor de Leite Derramado foi o vencedor da oitava edição do Prémio Portugal Telecom de Literatura. Este livro é o quarto romance de Chico Buarque. O livro, em poucos dias foi laureado com dois prémios, para além do já referido, recebeu também o prémio literário mais importante no Brasil, o Prémio Jabuti.

Programa Permanente de Estímulo à Leitura


"Livro Meu, para que todo homem tenha direito ao livro e descubra o quanto a leitura é necessária para o real exercício de sua cidadania" (PPEL)
O PPEL, Programa Permanente de Estímulo à Leitura / Livro Meu é um programa da iniciativa da Secretaria Municipal da Cultura de Caxias do Sul que tem como objectivo principal desenvolver uma política pública permanente para o livro e a leitura, naquela cidade, através da realização de múltiplas actividades que visam o “pleno desenvolvimento sociocultural, estético, político e ético da população”.
Do programa, lançado a 18 de Abril de 2005, constam acções para a formação de leitores e de mediadores de leitura, iniciativas para a consciencialização da importância do Livro e da Leitura, tomada de medidas de apoio à produção literária e editorial bem como a rentabilização de espaços físicos do município para o exercício da leitura.

Na génese deste Programa é de salientar a consideração de que “a leitura é necessária para a formação de um cidadão gerador de expressão crítica e capaz de interagir com o mundo, actuando no processo de construção de uma sociedade mais humana e inclusiva”.

Os Objectivos do PPEL são:


1. Promover acções para a formação de leitores;
2. Promover acções de consciencialização sobre a importância do livro e da leitura;
3. Ampliar os espaços de acesso à leitura no município;
4. Desenvolver actividades de formação permanente para os mediadores de leitura;
5. Apoiar a criação e a produção literária na cidade;
6. Promover o diálogo com a sociedade no que concerne à literatura;
7. Gerar resultados mensuráveis num determinado prazo;
8. Dotar o Programa de estrutura governamental mínima ao atendimento das demandas da política municipal do livro, leitura e bibliotecas.

Os Projectos do PPEL são:

Biblioteca da Estação / Bibliotecas Comunitárias / Cangurus da Leitura / Expresso da Leitura/ Fábrica de Leitura / Feira do Livro / Jardim da Leitura / Malas de Leitura / Passaporte da Leitura / Peçuelos da Leitura / PROLER / Tapete Mágico

IV Conferência Internacional do PNL

A Conferência Internacional do Plano Nacional de Leitura realizou-se nos dias 15 e 16 de Outubro e foi, este ano, dedicada ao tema "Ler no século XXI - Livros, leituras e tecnologias”.
O conjunto de intervenções e debates referentes à leitura nos seus múltiplos contextos e à relação entre leituras e novas tecnologias contou com a presença de especialistas da área e cobriu um programa ambicioso de que se destacam alguns momentos:

A conferência, "Nuevos lectores. Otra escritura", proferida por Antonio Rodríguez de las Heras, director do Instituto de Cultura e Tecnologia da Universidade Carlos III, em Madrid que evidenciou a emergência de novos e diferentes contextos para o livro e a leitura no triângulo de uma reinvenção activa – novos livros, novos leitores, novas formas de leitura.

O Professor Alexandre Castro Caldas, da Universidade Católica Portuguesa, em resultado das suas investigações no domínio das neurociências, fez reflectir sobre as implicações biológicas da aprendizagem da leitura em idosos analfabetos: "O cérebro com que se aprende a ler depois dos 50 anos”.

O Director do if:book, Chris Meade, referiu-se à ‘passagem’ da página impressa para o ecrã e ao conjunto de possibilidades que os media configuram para autores e leitores, na sociedade actual, tratando o tema “The amplified author and creative reader”.

Outras temáticas abordadas: Ler+ Teatro, Novas Oportunidades a Ler+ e Novas Leituras.

Numa circunstância particularmente sensível, a Professora Leonor Riscado e as actrizes Lúcia Maria e Maria Leite ilustraram o universo da escritora Matilde Rosa Araújo a quem todos os participantes prestaram homenagem.

Fotografias da Conferência