terça-feira, 31 de maio de 2011

Mis Primeras 80 000 Palabras

Mis Primeras 80.000 Palabras  é um dicionário em que participam 350 artistas de todo o mundo que tiveram a tarefa de escolher palavras e as suas definições, nas respectivas línguas nativas  e de as ilustrar, associando duas linguagens: a do lexicógrafo e a do artista plástico.

Trata-se de um livro da oficina editoral Media Vaca, de Valência, que preserva nos seus critérios a exigência do bom gosto e o rigor técnico em todas as vertentes da actividade editorial – o conteúdo, o design, a impressão, a finura dos acabamentos.
Refere-se, a propósito, a opinião expressa por Gustavo PUERTA LEISSE  em 2003,  elcultural.es sobre a obra e que aqui se traduz em versão livre:
“Por uma ou outra razão apropriamo-nos de certas palavras. Em alguns casos, elas adquirem um significado especial; noutros, reflectem exactamente aquilo que nos estava a ser difícil definir; às vezes é apenas o seu som  o que nos seduz. Este livro é uma compilação de palavras e imagens que ilustradores de diferentes países, línguas e técnicas seleccionaram como mais adequadas. E assim se constituiu uma obra ambiciosa e heterogénea que convida a que se desfolhem as páginas e a apreciar o que se expressa em duas tintas: a tensão entre a definição académica e a significação pessoal.
Mostruário de ilustradores, proposta vanguardista, dicionário subjectivo… Falham as categorias para um livro que procurou ser único. Pois bem, esta condição convoca a curiosidade e a interacção do leitor para que o livro seja algo mais do que um objecto bonito. Pode utilizar-se nas aulas e explorar as potencialidades que encerra; podemos ganhar novas palavras; poderemos descobrir termos desconhecidos e novas acepções que nos permitam incorporá-los no nosso vocabulário. Em suma, como em qualquer outro dicionário, o seu valor radica no uso que dele façamos.”
Para apetecer ler mais:
http://ginathorstensen.blogspot.com/

Banda Desenhada em Beja


http://texwillerblog.com/wordpress
Entre 28 de Maio e 12 de Junho, decorre a VII edição do Festival Internacional de Banda Desenhada de Beja que acolhe 17 exposições de banda desenhada em que participam, além de portugueses, mais de 60 autores de Espanha, França, Itália, Reino Unido e a Sérvia.
Na mesma circunstância decorre uma Programação Paralela cujos conteúdos abrangem áreas como cinema, conferências, cosplay, desenho ao vivo, lançamentos, maratona de desenho, oficinas, portfolio reviews, sessões de autógrafos, visitas guiadas, workshops, etc.

O Festival desdobra-se por várias áreas, desde o núcleo central da Casa da Cultura à Biblioteca Municipal, à Galeria do Desassossego, ao Museu Jorge Vieira - Casa das Artes, ao Museu Regional de Beja, e ao Pax Julia - Teatro Municipal.

De destacar, entre outros eventos, a ocorrência de oficinas livres de banda desenhada, o Mercado do Livro com cerca de 60 editores presentes, o lançamento de revistas, livros, fanzines, os concertos, etc.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Dia Mundial da Criança

 
No período que sucedeu ao fim da 2ª Guerra Mundial, muitos países entraram em crise e quem mais sofreu foram as crianças, que tinham de trabalhar com os pais para garantir a sobrevivência. Os cuidados de saúde não eram garantidos e a maior parte das crianças, na Europa, não sabia ler ou escrever.
Em 1950, dada a gravidade da situação e por iniciativa da Federação Democrática Internacional das Mulheres, as Nações Unidas criaram o Dia Mundial da Criança, a 1 de Junho.
Independentemente da raça, cor, sexo, religião e origem nacional ou social, a todas as crianças do mundo passou a ser reconhecido o direito ao afecto, amor e compreensão; a uma alimentação adequada; a cuidados médicos; a educação gratuita; à protecção contra todas as formas de exploração e a crescer num clima de Paz e Fraternidade universais.


(...)
"A criança tem direito à educação, que deve ser gratuita e obrigatória, pelo menos nos graus elementares. Deve ser-lhe ministrada uma educação que promova a sua cultura e lhe permita, em condições de igualdade de oportunidades, desenvolver as suas aptidões mentais, o seu sentido de responsabilidade moral e social e tornar-se um membro útil à sociedade.
O interesse superior da criança deve ser o princípio directivo de quem tem a responsabilidade da sua educação e orientação, responsabilidade essa que cabe, em primeiro lugar, aos seus pais.
A criança deve ter plena oportunidade para brincar e para se dedicar a actividades recreativas, que devem ser orientados para os mesmos objectivos da educação; a sociedade e as autoridades públicas deverão esforçar-se por promover o gozo destes direitos."




Hospital Pedro Hispano, Matosinhos

sexta-feira, 27 de maio de 2011



O Jornal Público fez, oportunamente, editar uma magnífica entrevista ao escritor e ensaísta Alberto Manguel.
Vivamente se recomenda a leitura.

Alberto Manguel: “Estamos a destruir o valor do acto intelectual”

05.07.2010 - 10:32 Por Ana Gerschenfeld

(...) As crianças têm uma imaginação activa, uma inteligência activa. Querem aprender a pensar. Na Idade Média, amarrava-se as crianças ao berço para as imobilizar. Hoje, amarramos a mente das crianças exactamente da mesma forma.
Se me confiarem uma turma de crianças, comprometo-me a fazer com que elas leiam Camões com muitíssimo entusiasmo. É preciso dizer-lhes que são inteligentes e que vão conseguir ler essa obra. As crianças adoram palavras complicadas, termos difíceis, histórias onde não se percebe tudo. Mas a indústria não quer isso, quer tornar as coisas mais simples – e então fazem resumos, simplificam, publicam coisas idiotas para crianças e acabam por não publicar nada. Apenas jogos de vídeo.
A nova geração continua a ter gosto pela leitura. Para o ser humano, o instinto de sobrevivência não se resume à necessidade de comer e beber; também inclui a necessidade de pensar. E isso é verdade seja onde for – aconteceu nos campos de concentração, acontece nas favelas mais pobres, acontece nas situações mais extremas. Continuamos a pensar, a criar, a interrogarmo-nos. E temos de lutar por isso. Não somos cegos; podemos dizer que não.
(...)

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Livraria do Ministério da Educação


A partir de 27 de Maio de 2011, a DGIDC conta com mais um equipamento de grande interesse para o sistema educativo. Os Professores, alunos e todos os interessados nos temas desta área têm, agora, um local dedicado à divulgação e venda das publicações do Ministério da Educação

[[Livraria do Ministério da Educação - Av. Álvares Cabral nº64, Lisboa [Abertura 26 de Maio, às 16.30 ]]

"Sistema de vendas e encomendas on-line, onde poderá adquirir as edições da DGIDC. Selecione por tema, título, ISBN ou pelo nome do autor, adicione a quantidade que deseja, confirme no carrinho de compras que tudo está como pretende e submete a sua encomenda. Será, posteriormente, informado do valor a transferir (publicações + portes) e de como proceder para receber a sua encomenda.”

Hospital Porta Aberta

“fomentar o envolvimento do Hospital Amato Lusitano, em Castelo Branco, com a comunidade, ou seja, melhorar e desmistificar a relação entre as instituições de Saúde e a comunidade permitindo, deste modo, reforçar o desempenho social do mesmo, potenciá-lo como veículo educativo de aprendizagem e reduzir os medos em relação à instituição e às pessoas que nela trabalham”

Palavras novas a reter - macas, cadeira de rodas, pensos, ligaduras, incubadora, toucas, máscaras, batas, soros, talas, garrotes, aparelho de tensão arterial, estetoscópios, seringas, radiografias
O Projecto  Porta Aberta tem como universo abrangente os agrupamentos de escolas da área de intervenção da Unidade Local de Saúde de Castelo Branco, sobretudo o Pré-Escolar e Ensino Básico.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

OFF THE WALL / FORA DA PAREDE

http://www.serralvesemfesta.com/
"(...)A exposição Off the Wall / Fora da Parede reúne mais de uma centena de obras que representam acções performativas de artistas, em trabalhos realizados desde 1948 até ao presente. A par de trabalhos dos coreógrafos referidos, serão apresentadas obras relevantes de reconhecidos artistas como Carl Andre, John Baldessari, Jenny Holzer, Joan Jonas, Roy Lichtenstein, Robert Longo, Robert Mapplethorpe, Paul McCarthy, Bruce Nauman, Yoko Ono, Claes Oldenburg, Dennis Oppenheim, Tony Oursler, Richard Serra, Cindy Sherman e Andy Warhol, entre tantos outros.(...)"


http://www.warholprints.com/

Mensagem Estúpida, Inútil e Irritante


AGULHA HISPÂNICA
REVISTA DE CULTURA
EDIÇÃO # 9 – FORTALEZA CE BRASIL – MAIO DE 2011
Armadilhas do spam, por Luiz Leitão

In: AGULHA HISPÂNICA

O nome SPAM, das antipáticas mensagens comerciais que recebemos às mancheias, cada dia com maior freqüência, informalmente, na etimologia popular americana significa Stupid, Pointless Annoying Message (Mensagem Estúpida, Inútil e Irritante), hoje mais usada comercial e politicamente.
As empresas que mandam essas mensagens publicitárias a gente que nunca lhes solicitou o envio têm o desplante de dizer que respeitam a privacidade do infeliz destinatário, e que para se descadastrar “basta” responder ao e-mail com os dizeres “remover” no campo “assunto” ou – e aí mora o perigo que muitos não perceberam – clicar num link que acompanha a mensagem.
Ocorreu-me estes dias, após representar ao Ministério Público Paulista e apresentar queixa ao PROCON, que o tal link onde os incautos, entre os quais este escriba se incluía, pode ser de uma página falsa que irá inocular um vírus no computador ou telefone celular do internauta, ou tele internauta, neologismo recém-inventado para os que acessam a rede pelo celular.
(...)
É possível provar, por analogia a outra antiga prática comercial abusiva, que o spam é invasivo e trabalhoso, entope as caixas postais e podem provocar a devolução de um e-mail relevante.
Há poucos anos, o PROCON-SP implantou uma lista onde os assinantes de linhas telefônicas que não desejassem receber incômodos telefonemas de telemarketing se inscreviam, e as empresas que os importunassem seriam multadas. A iniciativa prosperou, e a prática acabou, mas foi substituída por mais spams, cujos custos são menores, sobrecarregando ainda mais a rede. Além disso, para se livrar de um propagandista por telefone, bastava bater-lhe o telefone na cara, mas safar-se do spam dá muito mais trabalho.
A questão do spam é muito pior do que querem fazer parecer as observações revestidas candura, eufemismos defendendo a malfadada prática.
Ao pé de um spam recebido se lê: “Somos contra o spam na rede, nós respeitamos a sua privacidade. Seu e-mail faz parte do nosso sistema de relacionamento. Esperamos que você tenha apreciado esta mensagem. Contudo, não querendo receber mais mensagens nossas, responda este e-mail com o assunto REMOVER.”
Então, o e-mail do destinatário faz parte do “sistema de relacionamento” deles, seja lá o que isso queira dizer… Quem porventura não tenha “apreciado” a mensagem não solicitada basta se dar o trabalho de enviar um e-mail com o assunto “remover”.
Outros sugerem que se clique “aqui”, e “seu e-mail será excluído em até dois dias úteis”. Tudo isso para a mera exclusão, que se faz com um singelo clicar num teclado?
O spammer, termo em inglês para os adeptos à prática prejudica a comunidade muito além do que talvez imaginem eles e suas vítimas, por várias razões.
Primeiro, as mensagens disparadas em massa geram tráfego na rede com custo para os hospedeiros, repassado aos sites, que acabam cobrando do cliente final; segundo, ao pedir a remoção, o cliente dobra o tráfego, enviando mais uma mensagem inútil.
O diretor de um provedor comenta que recebeu reclamações de uma cliente porque sua caixa postal estava repleta de spams, e que ele deveria ter meios de evitar isso. Mas a indignada ex-cliente ignorava que não há anti-spam infalível, e nem o Yahoo ou o Google conseguem filtrar uma parcela razoável dessas pragas virtuais.
Sistemas como o anti-spam do UOL, por exemplo, mais que duplicam o custo e o tráfego de dados quando enviam ao remetente um e-mail de confirmação com letras a ser copiadas e reenviadas para a liberação da mensagem originalmente enviada, inclusive das desejáveis.
Por conta disso, os provedores limitaram a quantidade de destinatários por mensagem e o intervalo de envio, prejudicando quem manda noticiários ou alertas a clientes ou leitores inscritos por vontade própria numa lista.
Um alerta aos incautos: quando se faz um dos incontáveis cadastros para compras na internet ou simplesmente para participar de um fórum, comentar uma notícia há, geralmente, um ou dois quadradinhos pré-assinalados, autorizando o envio de “newsletters” ou promoções.
É bom desmarcá-los, pois do contrário o envio, por vezes abusivo, foi “solicitado”…
(Excertos)

terça-feira, 24 de maio de 2011

O eterno poeta do rock




"Hoje com 70 anos e meio século de carreira, Bob Dylan já não é apenas uma figura da música. Dylan, que começou a escrever com apenas dez anos, mostrou que o rock e a poesia têm tudo a ver, tornando as suas músicas em verdadeiros símbolos da época que viveu. Ganhou o respeito do meio e tornou-se um símbolo da contracultura americana desde o início dos anos 1960, criticando o governo, na altura ‘ocupado’ com a guerra do Vietname, e unindo-se à luta pelos direitos civis."

Jornal Público - Ler mais



 Like A Rolling Stone
Once upon a time you dressed so fine
You threw the bums a dime in your prime, didn’t you?
People’d call, say, “Beware doll, you’re bound to fall”
You thought they were all kiddin’ you
You used to laugh about
Everybody that was hangin’ out
Now you don’t talk so loud
Now you don’t seem so proud
About having to be scrounging for your next meal
How does it feel
How does it feel
To be without a home
Like a complete unknown
Like a rolling stone?
You’ve gone to the finest school all right, Miss Lonely
But you know you only used to get juiced in it
And nobody has ever taught you how to live on the street
And now you find out you’re gonna have to get used to it
You said you’d never compromise
With the mystery tramp, but now you realize
He’s not selling any alibis
As you stare into the vacuum of his eyes
And ask him do you want to make a deal?
How does it feel
How does it feel
To be on your own
With no direction home
Like a complete unknown
Like a rolling stone?
You never turned around to see the frowns on the jugglers and the clowns
When they all come down and did tricks for you
You never understood that it ain’t no good
You shouldn’t let other people get your kicks for you
You used to ride on the chrome horse with your diplomat
Who carried on his shoulder a Siamese cat
Ain’t it hard when you discover that
He really wasn’t where it’s at
After he took from you everything he could steal
How does it feel
How does it feel
To be on your own
With no direction home
Like a complete unknown
Like a rolling stone?
Princess on the steeple and all the pretty people
They’re drinkin’, thinkin’ that they got it made
Exchanging all kinds of precious gifts and things
But you’d better lift your diamond ring, you’d better pawn it babe
You used to be so amused
At Napoleon in rags and the language that he used
Go to him now, he calls you, you can’t refuse
When you got nothing, you got nothing to lose
You’re invisible now, you got no secrets to conceal
How does it feel
How does it feel
To be on your own
With no direction home
Like a complete unknown
Like a rolling stone?

domingo, 22 de maio de 2011

Um Poema por Semana

http://www.flickr.com/photos/rtppt/sets
Um Poema por Semana é uma nova série da RTP2, de 75 episódios, com cerca de três minutos cada, em que pessoas diferentes dizem um mesmo poema de segunda a sexta-feira. O programa é emitido em três emissões diárias: antes das 14h30, repete às 18h30 e antes das 22h00
Os poemas escolhidos são dos poetas Sophia de Mello Breyner Andresen, Cesário Verde, Ruy Belo, Fernando Pessoa, Miguel Torga, Sá de Miranda, António Nobre, Alexandre O'Neill, Luís Vaz de Camões, Jorge de Sena, José Régio, David Mourão-Ferreira, António Gedeão, Eugénio de Andrade, Mário Cesariny .



Um Poema por Semana:
Antes das 14h / Às 18h30 / Antes das 22h
 

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Dia Europeu do Mar

http://workofyoung.blogspot.com


Celebra-se hoje a primeira de quatro datas de grande relevância no que refere a temas ligados ao MAR:
Dia Mundial do Mar – 29 de Setembro
O Dia Europeu do Mar comemora-se a 20 de Maio, por proposta da Comissão Europeia e procura dar realce à relação entre o mar e a vida das populações costeiras, bem como ao seu contributo decisivo para o desenvolvimento da economia na Europa. 

Trata-se de uma chamada de atenção muito viva para que toda a envolvente costeira seja olhada e gerida de forma cada vez mais eficaz e sensível. 

A ligação do homem ao mar revela a sua importância em diversas actividades e abre pistas simples para o estreitamento das relações entre os povos. 

O Dia Europeu do Mar assinala a importância do mar como elemento decisivo para a manutenção e equilíbrio do Planeta.


Não Fora o Mar!
Não fora o mar,
e eu seria feliz na minha rua,
neste primeiro andar da minha casa
a ver, de dia, o sol, de noite a lua,
calada, quieta, sem um golpe de asa.

Não fora o mar,
e seriam contados os meus passos,
tantos para viver, para morrer,
tantos os movimentos dos meus braços,
pequena angústia, pequeno prazer.

Não fora o mar,
e os seus sonhos seriam sem violência
como irisadas bolas de sabão,
efémero cristal, branca aparência,
e o resto — pingos de água em minha mão.

Não fora o mar,
e este cruel desejo de aventura
seria vaga música ao sol pôr
nem sequer brasa viva, queimadura,
pouco mais que o perfume duma flor.

Não fora o mar
e o longo apelo, o canto da sereia,
apenas ilusão, miragem,
breve canção, passo breve na areia,
desejo balbuciante de viagem.

Não fora o mar
e, resignada, em vez de olhar os astros
tudo o que é alto, inacessível, fundo,
cimos, castelos, torres, nuvens, mastros,
iria de olhos baixos pelo mundo.

Não fora o mar
e o meu canto seria flor e mel,
asa de borboleta, rouxinol,
e não rude halali, garra cruel,
Águia Real que desafia o sol.

Não fora o mar
e este potro selvagem, sem arção,
crinas ao vento, com arreio,
meu altivo, indomável coração,

Não fora o mar
e comeria à mão,
não fora o mar
e aceitaria o freio.

Fernanda de Castro, in "Trinta e Nove Poemas"

quinta-feira, 19 de maio de 2011

O Futuro do livro

 
O II Fórum Mundial da UNESCO sobre Cultura e Industrias Culturais realiza-se em Monza, Itália, entre os dias 6 e 8 de Junho e conta com o apoio do Governo italiano e de diversas entidades oficiais locais. O tema para a edição de 2011 é “The Book Tomorrow: the Future of the Written Word” - O livro amanhã: o futuro da palavra escrita. A este fórum comparecerão 200 especialistas de 37 países de todo o mundo.

Informação complementar sobre o fórum, pode ser consultada em http://focus2011.org/.

Via Ler ebooks

Região da Lombardia - docushare.it

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Dia Internacional dos Museus


ipmuseus
"O Instituto dos Museus e da Conservação (IMC) associa-se mais uma vez às comemorações da Noite dos Museus – sábado 14 de Maio – e Dia Internacional dos Museus – 18 de Maio. O tema das comemorações em 2011 é MUSEU E MEMÓRIA. Os objectos contam a vossa história. Os museus e palácios do IMC estarão abertos gratuitamente nestas ocasiões e proporcionarão a todos os visitantes um conjunto de iniciativas muito diversificadas. O IMC convida todos os espaços museológicos portugueses, nomeadamente os integrados na Rede Portuguesa de Museus (RPM), a participarem activamente na Festa dos Museus 2011."


ibermuseus.org

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Momentos de Leitura na Rádio




"Está no ar"

É um programa da Rádio Fronteira, em Almeida, que tem como propósito elevar os níveis de literacia do concelho. Em parceria com o Centro Lúdico de Vilar Formoso e com o Agrupamento de Escolas de Almeida e Bibliotecas Escolares. Está no Ar quinzenalmente, às 11.00 H de todas as Quartas-Feiras e Domingos e pode sempre ser ouvido em PODCAST.

Mais um bom exemplo de incentivo à leitura, envolvendo pais e encarregados de educação, que, neste caso, ambiciona "dinamizar momentos de comunicação em que o principal enfoque será a divulgação de conteúdos literários e científicos, através da realização de um programa de rádio, que visa incentivar o maior número de ouvintes, Portugueses e Espanhóis, e promover o gosto pela leitura".