sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Como (…) coisas que não existem


Exposição patente no Museu de Arte Contemporânea de Serralves, de 1 de Outubro de 2015 a 17 de janeiro 2016
Trata-se de uma exposição realizada a partir da 31ª BIENALDE SÃO PAULO que é a segunda bienal mais antiga do mundo, fundada em 1951 e é a primeira vez que viaja para fora do Brasil.
O Tema da exposição desafia a que se preencha o vazio das reticências com um ou mais verbos – “Como viver coisas que não existem (…)”
A exposição vai contar com conferências e simpósios organizados pela equipa de curadores da Bienal em conjunto com o Serviço Educativo do Museu de Serralves.

- comissariada por Charles Esche, Galit Eilat e Oren Sagiv
- curadores de Serralves:  Ricardo Nicolau e Paula Fernandes
- organização: pela Fundação Bienal de São Paulo e Museu de Arte   Contemporânea de Serralves, Porto.

ARTISTAS PARTICIPANTES

Juan Pérez Agirregoikoa, Yael Bartana, Anna Boghiguian, Johanna Calle, Tony Chakar, Chto Delat, Contrafilé, Danica Daki, Etcétera & Léon Ferrari, Nilbar Güre, Sandi Hilal & Alessandro Petti, Clara Ianni & Débora Maria da Silva, Voluspa Jarpa, Edward Krasiski, Graziela Kunsch & Lilian L'Abbate Kelian, Mark Lewis, Ana Lira, Gabriel Mascaro, Virginia de Medeiros, Cildo Meireles, Éder Oliveira, Bruno Pacheco, Agnieszka Piksa, Armando Queiroz & Almires Martins & Marcelo Rodrigues, Walid Raad, Juan Carlos Romero, Wilhelm Sasnal, Qiu Zhijie

Sem comentários:

Enviar um comentário