terça-feira, 17 de novembro de 2015

Da inquietude à transgressão: eis Bocage…
  
“ (…) 250 anos do nascimento de Bocage
um paradigma literário e cívico da cultura portuguesa

A Biblioteca Nacional de Portugal associa-se às comemorações dos 250 anos do nascimento de Bocage, evocando o poeta, o tradutor, o dramaturgo e o cidadão.”

Próximas Conferências:

17 nov.Para além do Inferno Cristão do Marquês de Sade: Leituras surreal-abjeccionistas de Bocage, por Rui Sousa

24 nov.Bocage e o Teatro do Século XVIII, por Vanda Anastácio

15 dez.O Mundo Europeu de Bocage: das Luzes à Revolução Francesa, por Viriato Soromenho Marques


BNP - 17 set. - 31 dez. 2015 | Comissário: Daniel Pires | Sala de Exposições 

                           Nascemos para Amar

Nascemos para amar; a Humanidade
Vai, tarde ou cedo, aos laços da ternura.
Tu és doce atractivo, ó Formosura,
Que encanta, que seduz, que persuade.

Enleia-se por gosto a liberdade;
E depois que a paixão na alma se apura,
Alguns então lhe chamam desventura,
Chamam-lhe alguns então felicidade.

Qual se abisma nas lôbregas tristezas,
Qual em suaves júbilos discorre,
Com esperanças mil na ideia acesas.

Amor ou desfalece, ou pára, ou corre:
E, segundo as diversas naturezas,
Um porfia, este esquece, aquele morre.



Sem comentários:

Enviar um comentário