terça-feira, 29 de março de 2016


"Ossos"
[Em alguma parte alguma]

depois de vinte anos
mostraram-me a urna
em que tinham guardado seus restos mortais
alguns ossos brancos:
os fémures o ilíaco as vértebras e falanges
Era tudo
– Não pode ser
– Como não pode ser?
– Esqueça – disse eu.
Estava no cemitério de São João Batista, em Botafogo.
Olhei para o alto onde zunia a luz do século XXI.

Vi que de fato
ele não estava ali:
eu o carregava comigo
leve impalpável
como um doído amor



Sem comentários:

Enviar um comentário